Paranavaí foi o 24º município que mais gerou empregos no Paraná em 2018



O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou nesta quarta-feira (23/1), os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) referentes ao mês de dezembro, que fecha os números de todo o ano de 2018. Paranavaí fechou o ano com saldo positivo e aparece como o 24º município que mais gerou empregos no Paraná. O município registrou 8.891 admissões com carteira assinada e 8.559 demissões, gerando um saldo positivo de 332 novos postos de trabalho.

Os setores que mais geraram empregos em Paranavaí foram o setor de serviços, com 256 novos postos de trabalho, a indústria da transformação (+134) e a agropecuária (+97). Dois setores tiveram saldo negativo, com mais demissões que admissões: construção civil (-100) e comércio (-55).

“Por mais que durante ano enfrentamos algumas dificuldades, terminamos 2018 com saldo positivo de mais de 300 empregos gerados. Tivemos dois anos seguidos positivos na geração de empregos, isso nos dá um grande otimismo. Em 2017 foram 584 novos empregos com carteira assinada, que somados com os números de 2018 resultam em 916 novos postos de trabalho”, comemora o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Carlos Emanuel Rodrigues.

E o ritmo de crescimento não deve parar por aí, segundo o secretário. A expectativa é de que com a chegada de novas grande empresas, o número de vagas aumente ainda mais. “A megaloja da Havan já é uma realidade e vai gerar diversos empregos no município, sem contar na vinda de outras grandes empresas que já estão garantidas. Estamos vivendo um bom momento econômico e em 2019 esses números tendem a continuar crescendo”, afirma Carlos.

O secretário ainda ressalta a importância da capacitação profissional. "É muito importante o candidato à vaga de trabalho estar cada vez mais capacitado. Quanto mais capacitação tiver, mais chance terá de ingressar no mercado. A Agência do Trabalhador é apenas uma intermediadora de mão-de-obra. Quem estabelece os requisitos das vagas são as empresas; então se a empresa necessita de pessoa capacitada, ela não vai contratar aquele que não está apto para a vaga. Por isso, o primeiro requisito e o mais importante é a conclusão dos estudos - finalizar ao menos o Ensino Médio e depois buscar uma capacitação técnica e, claro, um curso Superior. A concorrência é grande e alcança a vaga aquele que está melhor capacitado para assumir a oportunidade de trabalho”, frisa.

Geração de emprego no Paraná é a maior desde 2014
O Paraná apresenta o melhor resultado na geração de empregos desde 2014. Os resultados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados neste mês pelo Ministério do Trabalho. Foram criadas 40.256 novas vagas com carteira assinada em 2018, o que representa um aumento de 230% em relação a 2017.

O desempenho do Estado reflete a melhora dos setores de serviços e comércio. Em 2018, foram 30.258 novas vagas abertas para o setor de serviços. O comércio, por sua vez, fechou o ano com saldo positivo de 9.426 novos postos.

A área de construção civil e de serviços industriais de utilidade pública também apresentaram resultados otimistas, com 2.386 novas ofertas de trabalho.

De acordo com o economista do Observatório do Trabalho, Alexandre Chaves, os setores serviço e comércio, que mais se destacaram, são os que começam a impulsionar a economia paranaense. “São os setores mais procurados e que apresentam a possibilidade de um novo emprego para o trabalhador. Já o comércio se destaca por causa das compras de final de ano”, disse.

Outros quatro setores, no entanto, tiveram queda no número de ofertas de vagas: agropecuário, indústria de transformação, administração pública e extrativa mineral.

As ocupações que mais se destacaram em 2018 foram alimentadores de linhas de produção; vendedores e demonstradores em lojas e mercados; e escriturários e auxiliares administrativos.

Os trabalhadores da construção civil, do transporte rodoviário de cargas e das atividades de abates de suínos também estiveram em alta.

País fecha 2018 com saldo positivo de empregos formais
O Brasil encerrou 2018 com saldo positivo de 529,5 mil empregos formais, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados hoje (23) pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. Esse foi o primeiro saldo positivo desde 2014, quando houve geração de 420,6 mil empregos formais.

O setor que gerou o maior saldo positivo de empregos formais foi o de serviços, com 398,6 mil, seguido pelo comércio (102 mil). A administração pública foi a única a registrar saldo negativo, 4,19 mil. De acordo com a secretaria, essas demissões no serviço público devem ter ocorrido pela restrição fiscal em estados e municípios e são referentes apenas a trabalhadores celetistas.

São Paulo foi o estado que mais gerou empregos (146,6 mil), seguido por Minas Gerais (81,9 mil) e Santa Catarina (41,7 mil). Os maiores saldos negativos foram Mato Grosso do Sul (3,1 mil), Acre (961) e Roraima (397).

Fontes: Secretaria de Comunicação Social - Prefeitura do Município de Paranavaí / Agência Estadual de Notícias / Agência Brasil






Design by Gustavo Picoloto