Economia

Dólar fecha abaixo de R$ 5 pela primeira vez desde março

Em mais um dia de alívio nos mercados internacionais, o dólar fechou abaixo de R$ 5 pela primeira vez desde março. A bolsa de valores ultrapassou os 94 mil pontos e encerrou no nível mais alto em três meses.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (5/6) vendido a R$ 4,988, com recuo de R$ 0,144 (-2,8%). A cotação operou em queda durante toda a sessão e fechou no menor nível desde 13 de março (R$ 4,813). Na mínima do dia, por volta das 12h30, chegou a atingir R$ 4,94.

Dólar fecha no menor nível em dez semanas e cai para R$ 5,08

Em mais um dia de alívio nos mercados internacionais, o dólar fechou no menor nível em dez semanas. A bolsa de valores ultrapassou os 93 mil pontos e encerrou no nível mais alto em quase três meses.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (3/6) vendido a R$ 5,086, com recuo de R$ 0,124 (-2,38%). A cotação operou em queda durante toda a sessão e fechou no menor nível desde 26 de março (R$ 4,996). Na mínima do dia, por volta das 12h, chegou a atingir R$ 5,02. A divisa acumula alta de 26,74% em 2020.

Tesouro capta US$ 3,5 bi no exterior com juros baixos

O Tesouro Nacional captou US$ 3 bilhões de investidores internacionais com as menores taxas de juros em sete anos. O dinheiro veio da emissão, feita hoje (3/6), de US$ 1,25 bilhão em títulos da dívida externa com vencimento em junho de 2025 e de US$ 2,25 bilhões em títulos da dívida externa com vencimento em junho de 2030.

Com R$ 100 milhões de investimentos, Paranavaí vai abrigar novas instalações da Agroceres Pic

O município de Paranavaí teve na data desta sexta-feira (22/5) um importante anúncio para o futuro da cidade: a chegada de uma nova multinacional com investimentos de aproximadamente R$ 100 milhões. A Agroceres Pic, uma empresa do setor suinícola, líder no mercado de genética de suínos, vai construir um complexo genético em Paranavaí.

Dólar sobe e fecha a R$ 5,83 em dia de saída de Teich

Em um dia marcado pela divulgação de indicadores econômicos e pela saída do ministro da Saúde, Nelson Teich, o mercado financeiro teve um dia de volatilidade. Depois de iniciar a sessão em baixa, o dólar comercial encerrou esta sexta-feira (15/5) vendido a R$ 5,839, com alta de R$ 0,019 (+0,33%). A bolsa de valores, que tinha começado em alta, passou a cair a partir do fim da manhã.

O euro comercial também subiu e fechou a R$ 6,336, com alta de 0,87%. A libra comercial, no entanto, caiu levemente e encerrou o dia vendida a R$ 7,088, com recuo de 0,27%.

Cotação do dólar vira e cai para R$ 5,82, depois de encostar em R$ 6

Depois de subir e encostar em R$ 6, a cotação do dólar reverteu a tendência de alta e fechou com a primeira queda da semana. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (14/5) vendido a R$ 5,82, com recuo de R$ 0,081 (-1,37%). A queda decorreu tanto da atuação do Banco Central (BC) como do alívio nos mercados externos.

O euro comercial fechou a R$ 6,284, com queda de 1,36%. A libra comercial encerrou o dia vendida a R$ 7,109, com recuo de 1,33%.

Dólar fecha acima de R$ 5,90 pela primeira vez na história

Em meio a tensões no Brasil e no exterior, o dólar fechou acima de R$ 5,90 pela primeira vez na história. O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (13/3) vendido a R$ 5,901, com alta de R$ 0,036 (+0,61%). Este é o maior valor nominal (sem considerar a inflação) desde a criação do real.

Apesar da alta do dólar, o euro comercial caiu levemente e fechou a R$ 6,373, com recuo de 0,23%. A libra comercial encerrou o dia vendida a R$ 7,223, com alta de 0,02%.

Dólar bate recorde e fecha em R$ 5,84 após corte de juros

O corte maior que o esperado e a indicação de novas reduções na taxa Selic (juros básicos da economia) pelo Banco Central (BC) provocaram uma fuga de recursos do país que pressionou o câmbio e fez o dólar bater mais um recorde. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (7/5) vendido a R$ 5,84, com alta de R$ 0,136 (+2,39%). Esse é o maior valor nominal (sem considerar a inflação) desde a criação do real.

O euro comercial fechou a R$ 6,336, com alta de 2,67%. A libra comercial encerrou o dia vendida a R$ 7,214, com alta de 2,22%.

Imóveis ainda são bons investimentos em tempos de crise

Em tempos de crise, alguns setores acabam sofrendo mais as consequências da desaceleração econômica do que outros, o que acaba levantando dúvidas sobre ser ou não uma boa ideia apostar em algum tipo de investimento.

Em meio a tantas incertezas, um dos setores que está tendo fôlego para seguir adiante é o da construção civil, que registrou em 2019 o maior percentual de crescimento em comparação com outros setores da economia brasileira – acumulando 4,4%, de acordo com dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Copom reduz Selic para 3% ao ano para conter impacto de pandemia

Em meio à crise econômica decorrente da pandemia do novo coronavírus, o Banco Central (BC) diminuiu os juros básicos da economia pela sétima vez seguida. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa Selic para 3% ao ano, com corte de 0,75 ponto percentual.

A decisão surpreendeu os analistas financeiros. Segundo a pesquisa Focus do BC, a maior parte dos agentes econômicos esperava a redução dos juros básicos para 3,25% ao ano nesta reunião e um corte adicional, para 2,75%, em junho.


Design by Gustavo Picoloto